Três corretores e um servidor da Administração do Riacho Fundo I foram presos nesta terça-feira (4/7) na Operação Habite-se. O objetivo da ação da Polícia Civil do DF é combater uma organização criminosa composta por corretores e servidores públicos atuantes nas Administrações de Samambaia, Riacho Fundo I e Taguatinga. Segundo a PCDF, um corretor envolvido no esquema está foragido.

A investigação da Delegacia de Repressão aos Crimes Contra a Administração Pública (Decap), que começou a um ano, aponta a falsificação de documentos públicos para a concessão de carta de habite-se, alvarás, entre outros.
Segundo o delegado de polícia da Decap, Virgílio Ozelami, a fraude ocorria quando um proprietário de um imóvel procurava uma das administrações envolvidas para solicitar a regularização da documentação. Quando alguma irregularidade no projeto era identificada, o servidor dizia que poderia indicar um intermediário para resolver o problema.
Ao ter contato com os proprietários, os intermediários solicitavam um pagamento que variava entre R$ 5 à 25 mil, dependendo do imóvel. A quadrilha atuava na regularização tanto de projetos residenciais como comerciais. A suspeita é de que 30 pessoas estejam envolvidas na quadrilha, que movimentava cerca de R$ 300 mil por mês.
“Muitas vezes os proprietários pagavam esse valor achando que era uma taxa de consultória do corretor, mas, na verdade, não era um valor devido”, ressaltou o delegado.
Foram expedidos ainda seis mandados de busca e apreensão nas residências dos envolvidos e quatro de conduções coercitivas de suspeitos também foram cumpridos, entre eles um servidor da Administração de Taguatinga, um fiscal da Agefis e um corretor. Foram apreendidos documentos e computadores para análise.
As quatro pessoas presas foram encaminhadas para o Centro de Detenção Provisória. Eles serão indiciadas por corrupção ativa e passiva, formação de quadrilha e falsidade ideológica.